Avançar para o conteúdo principal

Imprensa regional portuguesa: para quando a sua valorização?

Neste primeiro de Maio, em que o País, mais um ano, celebra os direitos dos trabalhadores, quero abordar um outro lado de uma classe nem sempre em destaque nos holofotes dos sindicados e mediáticos.



Falo da imprensa regional e local. Um exemplo crasso, onde desde há largos anos, pontua esforço e dedicação em situações, muitas vezes, de dificuldades de vária ordem.

A importância da comunicação social à escala regional é, há muito, conhecida.

Não só pela abordagem aos problemas das comunidades que não têm voz em Lisboa e em termos nacionais mas também pela coesão social dos territórios.

Por essa razão, Abrantes tem, em muitos casos, razões para se orgulhar. Prova disso foi o reconhecimento do centenário Jornal de Abrantes, há uma semana, pelo presidente da República, a propósito das comemorações do 25 de abril. Um orgulho para todos os abrantinos mas também para o país.

Na cerimónia, não foram esquecidos os problemas que atingem a imprensa local, conhecidos por todos mas nem sempre lembrados, um deles, a ameaça à sua sobrevivência económica.

Por tudo isto, neste 1 de maio de 2017, em que são evocados os direitos dos trabalhadores, é bom que os responsáveis políticos e sindicais deste país não esqueçam algumas das classes sempre ausentes dos discursos.

Porque este país não é apenas e só Função Pública. Portugal deve muito aos trabalhadores do setor privado, que diariamente resistem em condições precárias, com salários indignos, ante inúmeras dificuldades mas que, com esforço, sacrifício e dedicação extrema conseguem manter vivos muitos setores importantes da sociedade portuguesa.

A imprensa local é, pois, um desses lados do problema.

Esta crónica é dedicada a todos os profissionais deste país que lutam diariamente por um jornalismo livre no seio das suas comunidades, e que fazem da imprensa local um bastião de resistência, dando uma lição de portugalidade ao poder económico que há muito deixou de investir nela.

Parabéns ao Jornal de Abrantes e a todos os títulos centenários que fazem também a história das liberdades de Portugal.

*Crónica de 1 de maio, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…