Avançar para o conteúdo principal

100 anos de Fátima. A Humanidade em busca da Fé

O Papa Francisco aterra esta semana em Fátima. É a sua primeira visita a Portugal, desde que é Sumo Pontífice, e acontece no ano em que se celebram os 100 anos das aparições.


Fátima tem um duplo efeito em Portugal. Primeiro, é um evidente fenómeno de massas, aceite e respeitado pelo país, católico ou não católico, sendo reconhecido, por todos, como um culto que adquiriu um lugar na História do País e da Igreja Católica.

Esta semana quero falar de Fátima porque 100 anos são um momento importante e que revelam, entre inúmeras coisas, resistência, fé, persistência e esperança, sobretudo para os que acreditam na mensagem saída dos acontecimentos relatados pelos três pastorinhos entre maio e outubro de 1917.

Além da força nacional, Fátima adquiriu também um peso enorme a nível mundial, sendo palco de um verdadeiro caminho de Fé.

Muito se podia dizer sobre estes 100 anos, sobre os caminhos tortuosos que o santuário e os seus peregrinos fizeram até hoje. Desde as convulsões políticas que têm de ser vistas à luz de todo o século XX mas também de todos os momentos sociais mais dramáticos, como foi por exemplo a transição para o desenvolvimento que se registou com o 25 de abril de 1974.

Tudo isto e muito mais moldou o lugar, até há 100 anos desconhecido do mundo e também de parte do país.

A Igreja Católica, que ajudou a tornar o fenómeno mais carregado de simbolismo religioso, que trouxe depois uma economia local totalmente enraizada e criticada por tantos, fez também parte do crescimento de Fátima.

Eu, católica não praticante, que acredito em Fátima, sou cética em relação ao que terá realmente acontecido. Sei apenas que aconteceu algo, sem saber muito bem o quê. Contudo, Francisco, Jacinta e Lúcia deixaram-me essa Fé, esse dogma, essa constante forma de questionar permanentemente tudo: a guerra, a violência e os males do Mundo  trazidos pela mão do Homem.

A canonização de Jacinta e Francisco, que acontece esta semana, é pois mais um passo para consolidar aquela que eu considero a mensagem mais importante de Fátima: a constante busca pela paz, pela fraternidade, pelo perdão constante da nossa condição humana enquanto seres errantes.

Por isso, enquanto católica, aguardo com ansiedade a visita de Francisco, porque o Papa, um homem humilde mas ao mesmo tempo pecador, é o expoente máximo da mensagem da Cova da Iria. A Fé que tudo abraça fará o resto. Cada católico fará depois com ela o que bem entender.

O maior desafio? Continuar em busca de respostas sobre o que realmente ali aconteceu, independentemente das nossas crenças pessoais e das nossas convicções mais profundas.

Crónica de 8 de maio, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…