Avançar para o conteúdo principal

Agroalimentar: um setor que empurra a economia

Portugal segue, em 2017, rotas de crescimento ainda ténues.



Depois de um período duríssimo de intervenção externa, o País posiciona-se numa nova fase da sua História.

Há coisas que, sabemos, não voltarão a ser o mesmo, sob pena de colocarmos em causa a nossa sobrevivência, enquanto país, enquanto Estado, enquanto Nação.

Do ponto de vista do setor público, o diagnóstico está feito. É essencial gerir bem os recursos e as receitas para pagar salários e pensões, para tornar a Administração mais eficiente, colocando-a ao serviço dos contribuintes, dos cidadãos, de todos nós que a pagamos.

Mas é do setor privado que hoje quero falar. E de uma área que tem assistido a um franco desenvolvimento, em valor e receita, nos últimos anos.

Falo do Agroalimentar. Este é um setor que abrange inúmeros segmentos de atividade e negócio, com claro destaque para a Agricultura.

O nosso Agroalimentar tem sido decisivo para empurrar as exportações. Hoje, produzimos, vendemos e consumimos cada vez mais produtos de elevada qualidade.

Temos cada vez mais e melhor tecnologia à nossa disposição para melhorar o que fazemos, acrescentando-lhe valor.

Dispomos dos recursos mais qualificados para lhe darem o toque final de marca qualitativa e temos nas universidades conhecimento e investigação quanto baste, colocada depois ao serviço das empresas.

Em 2015 o Governo da altura lançava, através da tutela do Ministério da Agricultura e Mar, uma Estratégia ligada ao agroalimentar.

Esperamos que essa rota se mantenha, tendo em conta que falamos de um setor que, em 2014, valia 6 mil milhões de euros em exportações, e tinha um crescimento de 7,7%, não pode ser esquecido nem agora nem amanhã.

O Programa de Desenvolvimento Rural para 2020 e o Portugal 2020 são dois instrumentos comunitários fulcrais para lhe dar ainda mais qualidade, já que esta é uma área económica que precisa de incentivos como de pão para a boca.

Os fundos comunitários de que dispomos, cada vez mais direcionados para a criação de valor e não de betão, só podem ajudar-nos a fazer crescer um país naquilo que é duradouro: a produção e a sustentabilidade.

É por isso que a bandeira do Agroalimentar nacional não pode ser descurada. Que os Governos e o País não se esqueçam  dela nunca mais.

Crónica de 3 de abril na Antena Livre, 89.7 Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…