Avançar para o conteúdo principal

25 de abril: falta ainda expurgar os sugadores das liberdades


Portugal celebra esta terça-feira os 43 anos da Democracia.

O 25 de Abril continua a ser uma das datas mais importantes para a sociedade portuguesa.

Para o bem e para o mal, todas as gerações, de forma transversal, compreendem, à sua maneira, que a Revolução dos Cravos foi o acontecimento mais importante do país no último século.

Passados mais de 40 anos, a verdade é que muito ainda há por fazer em matéria de direitos, liberdades e garantias.

A Constituição manda cumprir, mas do papel à prática, vai uma distância enorme.

É na garantia dos direitos laborais que o país permanece muito longe das metas desejáveis em matéria de direitos e deveres.

Das estruturas mais rígidas da Administração Pública, onde predominam cúpulas de poder centralizado, às empresas privadas, há ainda muitos direitos por assegurar.

As crises económicas originam, sabemos todos, crises sociais e de identidade. O país continua agarrado à última, iniciada em 2011.

Persistem medos, violações de direitos instituídos, abusos de vária ordem. Basta ler os jornais diariamente para percebermos todos que há setores onde os laivos do antigo regime permanecem ainda bem vivos.

Nas liberdades individuais, o panorama é semelhante. A democracia, que ergue a bandeira da liberdade, ainda não levou a todos direitos e deveres iguais.

É por isso que em 2017, a força do 25 de Abril perde gás. O sindicalismo, já ultrapassado, perde força, e continua sem defender verdadeiramente, à luz do mundo em que vivemos, os cidadãos.

Amanhã, pelas ruas de Lisboa, iremos ver apenas mais uns desfiles sem consequência, com cravos na mão aqui e ali, e que juntarão apenas grupos resistentes que continuam a acreditam que é possível ser-se verdadeiramente livre em Portugal.

Somos livres, é certo, mas falta ainda um caminho de espinhos para chegarmos lá. Falta expurgar os sugadores das liberdades, de norte a sul, para darmos à Democracia o verdadeiro compromisso que ela merece.

Até lá o Povo português continuará a resistir. Porque a resistência é, talvez, uma das nossas maiores qualidades.

Bom 25 de Abril a todos.

Crónica de 24 de abril, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…