Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2017

Portugal: século XXI.

Emanuel e Ronaldo. Dois destinos. A mesma essência.

O país das redes sociais é tóxico. É injusto. E com imensa falta de racionalidade. Ainda não consegui compreender o real impacto que Facebook e Twitter estão a fazer às sociedades.

Por tudo e nada se insulta. Situações secundárias dão azo a faltas de respeito a torto e a direito. Criticar é palavra de ordem, muitas vezes apenas e só porque a maioria – que cria uma moda – o faz.
Serve isto para falar da tão badalada escultura de Cristiano Ronaldo no aeroporto que agora lhe dá nome.
A maioria vê-o com escárnio, não hesitando em destruir o homem que a trabalhou, não parando um minuto sequer para respeitar o trabalho alheio. O importante é desfazer, é criticar, maldizer.
O autor não é um monstro. Tem carne e osso e vem do povo. Sim, do povo, essa classe social que tanto constitui os Estados-Nação e que tão maltratada sempre foi ao longo dos séculos e civilizações.
O autor chama-se Emanuel Santos e é autodidata, propondo-se a fazer o projeto quando soube que o aeroporto da Madeira ia mudar par…

O dia em que os ingleses abandonam o projeto europeu

União Europeia: o futuro que lhe desejo

A União Europeia faz 60 anos. Este sábado, os líderes da Europa do século XXI, comemoraram a data em Roma, na mesma sala, onde a 25 de março de 1957, se assinaram os Tratados fundadores da então Comunidade Económica Europeia.
O aniversário teve a ironia de coincidir com um momento dramático para a coesão do grupo dos agora 27 Estados-membros: a saída do Reino Unido. E crise tem sido a palavra de ordem da União nas últimas décadas. E são muitas: a crise da moeda única, a crise dos refugiados, a crise grega, o terrorismo ou o crescente movimento de populismos na Europa. 2017 marca também um novo relacionamento da Europa com os Estados Unidos, liderada agora por um Donald Trump muito pouco democrata e que, nos seus desejos mais profundos, deseja a desintegração do projeto europeu. Tudo isto tem culminado num sentimento inquestionável: o cepticismo dos cidadãos e a consequente desunião dos povos que não se revêm nesta Velha União que não teve a capacidade de se refundar.
Eu acredito no projet…

Festival do Contrabando: evocar memórias e manter a Portugalidade

Evocar gentes da fronteira, com as artes e a cultura. É esta a proposta de Alcoutim, na região raiana algarvia, que promove entre hoje e domingo a primeira edição do Festival do Contrabando em Alcoutim (Portugal) e Sanlúcar de Guadiana (Espanha).
«A paisagem fronteiriça que desafiava os destemidos na passagem de mercadorias, agora é palco de vários projetos culturais que transportam para o interior das populações e seus visitantes, os sonhos e ambições, trazendo até à vila raiana uma oferta cultural que desafia todas as condicionantes existentes», realça o município em comunicado.
Recorde-se que o nordeste algarvio é um território marcado geograficamente e historicamente, pelo rio Guadiana. Região serrana por natureza, apresenta um típico relevo ondulante, proporcionando paisagens de distinta beleza, cheias de luz, vida e cor.
Em tempos idos, foram inúmeras as atividades praticadas e desenvolvidas neste cenário de fronteira natural entre Portugal e Espanha.
Conheço Alcoutim nas su…

UE celebra 60 anos dos Tratados de Roma

Celebra-se este sábado o 60.º aniversário dos Tratados de Roma. Os líderes europeus vão comemorar a data numa cerimónia na capital italiana e na qual os 27 (já sem o Reino Unido) adotarão uma declaração sobre o futuro da Europa.
Sem sabermos ainda muito bem o que sairá amanhã desta declaração, na verdade há muito que a União Europeia atravessa várias crises profundas – desde os problemas da zona euro, à resposta à crise dos refugiados, passando pela consolidação (ainda por fazer) de vários mercados comuns, como a segurança, a energia, o trabalho, o ambiente, etc.
Há ainda um outro desafio: o de dar resposta aos populismos crescentes na Europa. A matriz fundadora da UE, que consagra a tolerância, o respeito pelos povos e pelas suas democracias, está longe de ser cumprida. Além disso, a saída do Reino Unido da União irá fazer uma mossa ainda por calcular no seio das lideranças europeias.
Veremos se os dirigentes europeus terão pulso firme para unir os Estados-membros ou se, por outro l…

Marcelo e a separação de poderes que o Presidente ignora

«Não sei ao abrigo de que poder constitucional é que o Presidente da República decidiu empreender uma visita às instituições executivas da União Europeia, Comissão e Conselho (suponho que não tem precedente) para tratar das relações entre Portugal e a União Europeia».
A frase é de Vital Moreira, no seu blogue Causa Nossa, e tem toda a razão.
Como explica o jurista, «na nossa ordem constitucional, o Presidente não é titular, nem cotitular da política externa, nem da política europeia. O interlocutor oficial das instituições europeias em Lisboa e em Bruxelas só pode ser o Governo. O caminho entre Belém e Berlaymont passa por São Bento».

Fosse este outro Governo e o Presidente outro também e caía o carmo e a trindade. Mas a comunicação social do burgo, embevecida com o atual inquilino de Belém, lá está sempre, em jeito de pé de microfone.

A separação de poderes está consagrada na Constituição da República Portuguesa. Basta ir lá e ler. Em novembro de 2015, o Observador, a propósito de ou…

Terrorismo continua a semear banhos de sangue

Ponte de Westminster, em Londres, é agora o último símbolo do terrorismo. 
A Europa continua a ser o alvo predilecto dos terroristas. Continuamos, todos, à mercê das falhas de segurança, dos ataques do Daesh. De loucos que não deviam povoar este mundo. 
E entretanto, na Síria e no Iraque, o banho de sangue prossegue. Até quando teremos de abrir as mãos para deixar o sangue cair? 
O mais assustador é a apatia da Europa e a incógnita chamada Trump. O mundo está cada vez mais refém de um atirador, de uma explosão, de alguém que está disposto a sacrificar vidas em nome de nada.

Nós temos a Sagres. E depois?

Momento "baixo" do dia

Construir Muros. De Poesia.

No Dia Mundial da Poesia, queremos muros, de sonetos, de palavras carregadas de esperança, onde o ódio não entre, onde nos amparem o futuro, onde a paz nos consuma.

Feliz Dia Mundial da Poesia!

Autárquicas: a longa travessia da Direita em Lisboa

Vai mal o PSD na Oposição. Como já é um hábito, sabemos que os sociais democratas nunca se deram bem enquanto partido de força contra-poder. Depois dos sintomas do pós-Governo e pós-Troika, veio agora a síndrome da "crise na oposição" e da crise "pré-autárquicas".

A dificuldade em fechar os cabeça de listas às principais câmaras do país é notória desde o início, com Lisboa no topo das dores de cabeça de Pedro Passos Coelho. A notícia do nome, já esperada, chega pelos piores motivos. Teresa Leal Coelho, a atual vereadora da autarquia lisboeta, que se farta de falta a reuniões de câmara, e também deputada à Assembleia da República foi o nome escolhido. Um nome fraco, sem chama nem alento, que dificilmente resistirá na terrível noite das facas longas lá para a segunda metade do ano.

A direita tem um longo caminho de espinhos pela frente em Lisboa. Dificilmente Medina, com tamanha concorrência, perderá a cadeira do poder lisboeta, a menos que não queira entrar na corr…

Missão: descentralizar o Portugal "Verde"

Talvez poucos ainda o conheçam, exceção feita ao setor que todos os anos por lá marca presença.
Falo do Green Business Week, um evento dedicado à Sustentabilidade nas áreas da Energia, Ambiente, Água e Cidades Inteligentes, que decorreu na semana passada, em Lisboa.
O evento, que se assume, ano após ano, como ponto de encontro da eficiência, seja nas empresas ou na Administração Central e Local, está a tornar-se cada vez mais atraente para empresas e startups.
Foi com muita satisfação que lá encontrei a Câmara de Abrantes, que ali marcou presença dando a conhecer o projeto “Abrantes Cidade Inteligente”.
O projeto, centrado na velha máxima das cidades sustentáveis, tem como objetivo, implementar uma solução tecnológica que torne mais eficiente a gestão e monitorização dos serviços públicos.
A ideia é que sejam depois os cidadãos a beneficiar com os resultados, tornando a sua vida e os seus problemas mais simples de resolver.
Capacitar o município e as empresas para uma boa gestão dos…

Carta aberta a todos os pais: protejam os vossos filhos da Rede do Mal!

Esta é uma crónica dedicada a todos os pais deste país. De um país que não é só Lisboa, como tantas vezes o sinto por cá.
O propósito é uma das maiores liberdades do século XXI mas também uma das suas maiores ameaças: falo das redes sociais e da forma como hoje jovens e crianças estão expostos à rede e aos seus predadores.
O caso da jovem Mariana de Ponte de Lima, atraída por um louco à solta no Facebook vem revelar, uma vez mais, a ponta de um icebergue gigante e que está, diariamente, na vida dos pais e dos seus filhos, pronto a colidir a qualquer momento.
Nos tempos que correm, cada criança e jovem, tem um telemóvel ou um tablet.
Manuseiam os equipamentos quase de olhos fechados, sem necessidade de instruções ou pedidos de ajuda.
Os pais, esses, estão colocados num patamar de fragilidade louca, sem saber o que fazem os filhos durante todo um dia de escola, oito horas diárias, cinco dias por semana.
Já não basta só alertar os filhos para os perigos da internet ou estar atento. É precis…

Um ano de Marcelo: um ano em notícias

Um ano de Marcelo: não houve um único dia sem o Presidente nas notícias. Televisões dedicaram mais de mil horas de emissão a Marcelo Rebelo de Sousa.


Os dados são revelados pela Cision, a propósito do momento que assinala um ano de Marcelo à frente dos destinos de Belém. Faz esta quinta-feira, 9 de março, um ano que Marcelo Rebelo de Sousa tomou posse como Presidente da República. Desde essa data, não passou um único dia sem que o Chefe de Estado tenha estado presente nos órgãos de comunicação social portugueses. De acordo com um estudo da Cision, ao longo deste período foram editadas 118.247 notícias com referências ao 20.º Presidente de Portugal. A televisão foi o meio onde Marcelo mais se «promoveu» com um total de cerca de 1.060 horas de emissão nas estações televisivas (o equivalente a mais de 44 dias). Na rádio, mais de 208 horas de programação e na imprensa o Presidente foi mencionado num total de 18.342 artigos e não houve um só dia ao longo deste ano em que não tenho estado pr…

Contra as "fake news", ripostamos com Jornalismo do bom

Quem me conhece sabe que levo à letra os elementares conceitos da minha profissão.
O Jornalismo é, de facto, um modo de vida. Que se escolhe, que se sente, que sabemos, desde o primeiro dia, ao que vamos.
É por isso que, no charco negro dos média nacionais, a reportagem “Assalto ao Castelo”, transmitida na semana passada na SIC, em três episódios, é não só uma lufada de ar fresco, como representa um registo histórico de serviço público.
O seu autor, o jornalista Pedro Coelho, há muito que habituou os seus telespectadores, a estórias com sentido. A retratos de investigação limpa, suportada em documentos, recheada de mais elementos novos que até ao momento a opinião pública desconhecia.
A reportagem que gira em torno docolapso do BESe do Grupo Espírito Santo, mostra aos portugueses aquilo que todos já suspeitávamos: que o Banco de Portugal, entidade na qual todos devíamos confiar em matéria bancária e financeira, falhou.
E mais grave do que isso: mentiu. Mentiu na Assembleia da República n…

Estaline: o ditador cruel morreu há 64 anos

A 5 de março de 1953 morria um dos ditadores mais cruéis do século XX. O seu nome: Josef Vissariónovitch Stalin.

«Fátima: a construção do fenómeno»

Sou crente. Hoje mais desconfiada da Igreja Católica, é certo. Mas nunca perdi a Fé. Católica. Nela fui educada. E nela acreditei por mim própria. Contudo, Fátima que é um marco não só religioso como histórico, representa para uma crente como eu, um facto (ou factos) que permanece em constante turbulência em mim. E é por isso que a Visão História mostra, na sua seriedade jornalística, os vários lados do contexto. Vale a pena ler. Para crentes e não crentes. Porque Fátima é única. Misteriosa. E me faz sempre duvidar, ao mesmo tempo que não coloca em causa a minha Fé. Pelo contrário, suporta-a, mesmo na dúvida interior mais profunda.