Avançar para o conteúdo principal

Trump: o choque do mundo.


Na semana que passou o Mundo parece ter endoidecido. E eu continuo sem perceber a razão. As redes sociais são hoje um lugar tóxico, onde se inflamam ódios, onde se fazem julgamentos antes sequer de a realidade provar que estamos certos. Na semana em que o mundo perdeu um dos maiores compositores e símbolos da música, Leonard Cohen, o mesmo mundo assistiu à eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. Um candidato anti-sistema que nem dentro do próprio partido foi consensual. A vitória é sua. Durante a campanha não escondeu as ideias que defendia, nem como se iria relacionar com o país e o resto do mundo. A NATO, as relações com a Rússia, as alterações climáticas, a guerra com o México e a forma inflamada como falou de alguns grupos sociais são agora a preocupação da sociedade americana e do mundo. É certo que a sua inexperiência política, o seu lado mediático e a riqueza que conquistou ao longo da vida provocam incertezas sobre o futuro do país. Contudo, para os que ainda se questionam por que razão Trump bateu Hillary Clinton, basta olhar para aquilo que ele representou na campanha: uma alternativa ao sistema, uma defesa intransigente do povo americano, prometendo 25 milhões postos de trabalho na próxima década, através do aumento do PIB e da descida de impostos para as empresas. Donald Trump garantiu ainda que ia apostar numa política protecionista, contrariando décadas de comércio livre. Na verdade foi este discurso que lhe garantiu a vitória. E é também para isto que a Europa deve olhar. As instituições, cá e do outro lado do Atlântico, falharam. Os políticos e o sistema tradicional também. Foi combatendo tudo isso que a sociedade americana escolheu Trump. Mas o futuro presidente dos americanos sabe que, agora que lhe calhou a fava, não pode cumprir nem metade do que prometeu, sob pena de originar a implosão de uma potência decisiva no tabuleiro geoestratégico mundial, como são os Estados Unidos da América.  Esta é a maior lição que o mundo, e sobretudo a Europa, têm de aprender: ou se olha à séria para os falhanços das políticas e dos líderes atuais ou então, corremos o risco de sermos esmagados pelos tais extremismos que acenam de todo o lado.


*Crónica de 14 de novembro, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…