Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2014

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 181.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 181: «Nos filmes de desenhos animados da minha infância até as caçarolas tinham olhos e os garfos dançavam».

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 180.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 180: «Onde estou eu quando os outros precisam de mim e eu não chego a tempo? Devia de haver uma condenação por isso».

«Olá sou o 706».

A entrevista de Carlos Cruz a Clara Ferreira Alves, hoje, no Expresso, merece ser lida. Pelos cidadãos que nunca tiveram certezas, por todos nós que continuamos com dúvidas. Não muda nada. Mas na verdade quanto mais lermos sobre as realidades mais informações dispomos para fazer uma análise distanciada. É essa a mais-valia de uma entrevista como esta. Na prisão é chamado pelo 706.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 179.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 179: «A vida nem sempre é o que queremos. É uma questão de ir por outra estrada e escolher a direita e a esquerda certa. Ir em frente ou fazer inversão de sentido de marcha».

O sucessor de Salgado tem bom currículo.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 178.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 178: «Uma filha de onze anos é um berbicacho: já não gosta do Jardim Zoológico e ainda não se interessa pela 24 de Julho».

Brasil 2014. O adeus que soube a pouco.

Obra de Sofia (de Mello Breyner Andresen) continua «deslumbrantemente actual».

«A melhor homenagem que se pode prestar hoje a Sophia de Mello Breyner Andresen é o reconhecimento de que a sua obra continua deslumbrantemente actual. Pedra, luz, fruto, manhã, mar, vento, nisto todos nos reconhecemos, por isso citamos de cor os seus poemas e passamos de geração em geração os seus livros infantis, com que tantos de nós aprendemos o fascínio da leitura». Miguel Sousa Tavares, colóquio 'Porto de Encontro', 25 de Junho Casa da Música, Porto.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 177.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 177: «Desde que cresci o Natal tornou-se uma multidão de gente enervada e com pressa».

A democratização.

«Há 40 anos assistimos a uma primeira vaga de democratização que nasceu no nosso país, alastrou-se a Espanha e depois à América Latina. Há 25 anos, uma segunda vaga teve início nos países do Leste Europeu. Hoje, é urgente reflectir sobre a não existência de uma terceira vaga da democratização. Mais do que reflectir, é fundamental propor acções concretas para que as democracias ocidentais sejam capazes de incorporar as novas tendências e valores do mundo digital globalizado», Francisco Pinto Balsemão, Presidente do Grupo Impresa, 23 de Junho, no Encontro Internacional de Estudos Políticos | Estoril Political Forum 2014.

Lisboa: o legado de Bresson para ver até Agosto.

O Edifício AXA, em Lisboa, recebe, entre 27 de Junho e 31 de Agosto, um ciclo de exposições dedicadas à fotografia, com destaque principal para o legado que Cartier-Bresson nos deixou. «L'imaginaire d'après nature» é o nome da mostra dedicada ao fotógrafo francês que conta com 54 fotografias originais, considerado por muitos o pai do fotojornalismo e que testemunhou e capturou alguns dos momentos históricos mais importantes do século XX.

O suicídio da política dos tempos modernos.

A política e os políticos de pacotilha dos tempos modernos não precisam dos críticos. Fazem eles próprios questão de se suicidarem sozinhos.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 176.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 176: «Nos filmes de desenhos animados da minha infância até as caçarolas tinham olhos e os garfos dançavam».

Enamorada por esta Lisboa que eu amo.

PS. Nem à «martelada» a coisa vai.

Na noite de São João, António Costa foi convidado do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira (retribuindo assim a visita deste às marchas do Santo António, em Lisboa). Para jogar pelo Seguro, António ficou na margem oposta, em Gaia, onde os martelinhos de S. João não parecem ser os mesmos de Ermesinde... Nem com a ajuda do Santo a coisa vai.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 175.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 175: «Sou uma pessoa? Não. Sou um escritor? Não. Sou um sonhador? Para sempre».

A promessa cumprida.

Eles prometeram-me. Eles cumpriram. *ac@linkin*

Viagem ao Portugal do fantástico!

Nas serras da Estrela, Gardunha e Malcata, 12 localidades, todas elas com castelo e próximas à fronteira, contam uma parte da história de Portugal. É sobre estes doze povoados que hoje irei falar. Conheço quase todas. Andei pelas ruas, ruelas e estradas longas em comprimento e bem pequeninas em largura. Perdi-me nas centenas de habitações construídas em granito e nos que nelas habitam, um traço comum às aldeias da Beira Interior. E foi nos sorrisos destas gentes que consegui alento para acreditar que o meu país é bem mais que a austeridade que me falam. Há 18 anos, entidades públicas e investidores privados, criaram as bases para as Aldeias Históricas de Portugal. Objectivo? A promoção da região e a recuperação do património. Hoje, portugueses e estrangeiros, têm ao seu dispor maravilhas deste país em estado natural para apreciar. De Belmonte a Castelo Novo, passando por Almeida, Castelo Rodrigo, Monsanto, Sortelha, Piódão ou Linhares da Beira, só para citar algumas, aqui há portugali…

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 174.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 174: «QMoram na minha casa pessoas que não conheço e ela deixou de pertencer-me».

Contas, contas, contas. A sina lusa tem sempre o mesmo desfecho.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 173.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 173: «Quando perguntaram a Voltaire como era a sua relação com Deus, respondeu:
- Cumprimentamo-nos mas não nos falamos».

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 172.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 172: «Se olho para dentro encontro um armazém anárquico de expressões desbotadas, caixinhas de substantivos, arames de verbos para ligar tudo».

A política em debate no Estoril.

«Reconsiderando a 3ª vaga de democratização: 40 anos depois da Revolução Portuguesa de 1974; 25 anos depois da queda do Muro de Berlim em 1989». É este o mote do XXII Encontro Internacional de Estudos Políticos/Estoril Political Forum 2014, que decorre entre 23 e 25 de Junho, no Hotel Palácio do Estoril, promovido pelo Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. Manuel Braga da Cruz, Pedro Magalhães, Rui Ramos, Miguel Morgado, Severiano Teixeira, Paulo Rangel, Francisco Assis são alguns dos convidados nacionais que abordarão temas como «A Transição Democrática em Portugal» e «O Futuro da Democracia em Portugal». Entre oradores estrangeiros o programa conta com Boguslaw Chrabota, director da revista Rzeczpospolit, Petr Mareš, enviado para a Parceria Oriental da República Checa e Pavol Demeš, analista de política externa eslovaco. «Europa Central: O Futuro da Democracia» conta com os contributos de Ivan Krstev, do Centre for Liberal Strategies de So…

A novela BES.

A novela BES dura e perdura, com sintomas de cancro familiar que tem dominado o sector. O Banco de Portugal quer obrigar Salgado e família a sair, mas será que este braço-de-ferro terá um final feliz? Não, não terá, o final, há muito que está escrito.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 171.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 171: «Devia ter trazido uma gravata para agradar à minha mãe: - Vão julgar que não soube educar-te. Soube, mãe. O problema é que, de gravata, me assemelho a um noivo de província num monstruário de feira».

A portugalidade pode (sempre) esperar.