Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2014

Entre Pessoa, Vasco Santana e tantos outros, amanheceu platónica a manhã de temporal.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 90.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 90:«O único sítio onde me apetece morrer é em Portugal. Por isso custa-me tanto o que os portugueses estão a passar».

Marxismo. O doutoramento que faltava.

A Academia de Ciências Sociais da China, considerada um dos principais centros de reflexão do país, lançou um doutoramento em marxismo, correspondendo a uma «instrução da liderança central» do Partido Comunista Chinês. Filosofia Marxista, Economia Política Marxista,  Ciências Jurídicas Marxistas, Etnologia Marxista e Jornalismo Marxista são algumas das quinze disciplinas do curso. Quem como eu continua a estudar o marxismo-leninismo, decerto, teria interessa naquela cadeira de Jornalismo, pouco independente, mas certamente muito histórica.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 89.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 89:«É muito curioso, os nossos mortos continuam a mudar dentro de nós. Continuam a dialogar e a inquirir-nos. Depois, finalmente, há uma altura em que ficamos em paz, se conseguirmos. A maioria dos filhos forma-se contra o pai. Eu formei-me de costas para ele. Mas houve uma coisa muito importante que ele me transmitiu: o pudor. Nunca o vi elogiar um filho. Lembro-me que uma vez tive um Muito Bom, e os pais dos meus amigos, quando eles tinham boas notas, davam-lhes dinheiro. O meu disse: "Só te dou dinheiro quando tiveres um Bestial».

Às escuras por uma causa sustentável.

Ao todo 94 cidades portugueses vão ficar às escuras esta noite, entre as 20h30 e as 21h30 no âmbito da Hora do Planeta 2014. Uma iniciativa de monumentos, edifícios públicos e de cidadãos, para defender a sustentabilidade da natureza.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 88.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 88:«Há instantes de intensa felicidade - às vezes sinto as lágrimas a caírem-me pela cara - e momentos de grande irritação porque num dia consigo fazer meia página e no noutro só três linhas. O material resiste, as palavras não chegam, o livro não sai».

Dia Nacional dos Centros Históricos.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 87.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 87:«Continua a surpreender-me o número de recordações que se podem pendurar lado a lado no fio de uma lágrima».

O desassossego de Pessoa em Oslo.

Vem do norte a notícia que nos deixa a todos orgulhosos. O escritor norueguês Christian Kjelstrup, que considera o «Livro do Desassossego», de Fernando Pessoa, a melhor obra literária do mundo, decidiu abrir hoje no centro de Oslo a Livraria do Desassossego, onde venderá exclusivamente este livro de um dos maiores escritores portugueses. Até 2 de Abril os noruegueses podem adquirir a obra e deliciarem-se com Pessoa, esse louco racional, às vezes tolo, outras vezes brilhante, em cada palavra de poeta, em cada sonho rural em cada rasgo cosmopolita.

A imagem do dia.

Partilha.

Siga a dança em cada pedaço de calçada lisboeta, onde cada passo é dado ao ritmo acelerado das batidas que ecoam dos Céus. Somos sorrisos enquanto houver Sol e Lua. Respiramos da sede insaciável que nos alimenta a dinastia da Partilha. Entre muralhas invisíveis, avançamos, sem temores, porque o cume está ao nosso alcance. Basta que toquemos a campainha do desejo, da vontade, do querer. No fim, encaixamos caracteres simples, em frases curtas, que culminam no cair do pano no Dia Mundial do Teatro. Nós. Sempre Nós. Em Partilha;-)

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 86.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 86:«Quando as circunstâncias me obrigam a pensar em mim encontro um homem tão aselha com os sentimentos como outros são desajeitados com as mãos».

O número.

13 mil. É este o número de pessoas portadoras da doença de Parkinson (a segunda doença neurodegenerativa com maior prevalência no país) em Portugal. Os dados foram revelados esta quarta-feira através de um estudo pioneiro que faz pela primeira vez este levantamento.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 85.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 85:«a gente escreve para gostarem de nós. Quando o Mozart, aos 5 anos, tocou para a corte francesa, ele foi a correr sentar-se ao colo da Maria Antonieta e pediu-lhe "aimez moi!"».


Dignidade, precisa-se!

Na semana passada o País assistiu a um debate inédito em Portugal. Quatro dos últimos ministros das Finanças da última década debateram em Lisboa o presente e o futuro do país, depois da saída da Troika em Maio próximo. Ouvi atentamente as intervenções de Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix, Teixeira dos Santos e Vítor Gaspar. E, ao contrário do que muitos têm dito e escrito sobre o tema, vi também quatro economistas a convergirem no essencial: de que é preciso pagar a dívida. Une-os este ponto, afastando-os a dose de austeridade, que só Gaspar continuar a ver como solução. Contudo, e para os mais distraídos, a verdade é que todos eles foram responsáveis pelas finanças públicas na última década em Portugal. E todos sabem que, depois de os credores irem embora, terá de haver um mecanismo de controlo para quem formar Governo em 2015. Seja como for, e apesar de a Alemanha querer a «tal saída limpa» do programa para provar que na Europa do Sul há um país que cumpriu, a verdade é que sem p…

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 84.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 84: «Que queremos? Temos peitos, lábios, literatura e os ministros e os ex-ministros a tomarem conta disto. Sinceramente, sejamos justos, a que mais se pode aspirar? O resto são coisas insignificantes: desemprego, preços a dispararem, não haver com que pagar ao médico e à farmácia, ninharias. Como é que ainda sobram criaturas com a desfaçatez de protestarem? Da mesma forma que os processos importantes em tribunal a indignação há-de, fatalmente, de prescrever. E, magrinhos, magrinhos mas com peitos de litro e beijando-nos uns aos outros com os bifes das bocas seremos, como é nossa obrigação, felizes».

25 de Abril - Quarenta anos depois, somos Povo.

Em 2014 comemoram-se 40 anos da Revolução do 25 de Abril de 1974. Com muito agrado, vejo que Lisboa vai colocar (ainda mais) o momento no calendário. Vão ser três meses das comemorações promovidas pela autarquia. Exposições, concertos, videomapping, concertos. Do Terreiro do Paço ao Largo do Carmo, a festa da Liberdade faz-se em cada canto, recanto e encanto da capital. E eu gosto tanto disto. Vale a pena não desistir e combater os parasitas que nos continuam a corroer.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 83.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 83:«A gente quer que as pessoas nos admirem por fazermos uma bela metáfora ou fazermos uma pirueta, mas o importante no livro é que ele seja eficaz. O que interessa andar a mostrar plumas, e penas e proezas? A mim o que me interessa é escrever. O que está à volta custa-me um bocado, a exposição pública, tudo o que rodeia os livros».

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 82.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 82:«Perguntam-me muitas vezes por que motivo nunca falo do governo nestas crónicas e a pergunta surpreende-me sempre. Qual governo? É que não existe governo nenhum. Existe um bando de meninos, a quem os pais vestiram casaco como para um baptizado ou um casamento. Claro que as crianças lhes acrescentaram um pin na lapela, porque é giro
- Eh pá embora usar um pin? que representa a bandeira nacional como podia representar o Rato Mickey - Embora pôr o Rato Mickey? mas um deles lembrou-se do Senhor Scolari que convenceu os portugueses a encherem tudo de bandeiras, sugeriu - Mete-se antes a bandeira como o Obama e, por estarem a brincar às pessoas crescidas e as play-stations virem da América, resolveram-se pela bandeirinha e aí andam, todos contentes, que engraçado, a mandarem na gente - Agora mandamos em vocês durante quatro anos, está bem? depois de prometerem que, no fim dos quatro anos, comem a sopa toda e estudam um bocadinho em lugar de verem os Simpsons. No…

Dezasseis anos depois, Portas sobrevive.

A 22 de Março de 1998, Paulo Portas era eleito, pela primeira vez, líder do CDS-PP. Há dezasseis anos a cantar no Largo do Caldas...

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 81.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 81:«Ali, na sala de quimioterapia, jamais escutei um gemido, jamais vi uma lágrima. Somente feições sérias, de uma seriedade que não topei em mais parte alguma, rostos com o mundo inteiro em cada prega, traços esculpidos a fogo na pele».

O jogo do empurra com o patrocínio do Expresso.

O jogo do empurra patrocinado pelo Expresso este sábado.

As voltas do Magalhães.

O belo Magalhães e a sua sustentabilidade.

O destino no Dia Mundial da Poesia.

Quis o destino que no Dia Mundial da Poesia eu passasse a manhã no Eléctrico 25, pelas ruas íngremes da Lisboa antiga, rumo a uma reportagem também ela ancestral com marcas contemporâneas. Tal como dizia Álvaro de Campos, «é um cansaço de mundos para apanhar um eléctrico...esta espécie de alma...»... Uma alma que um século depois se sente, do mesmo modo que sentiu Pessoa, nos alvores de 1900, no palco da capital portuguesa. São cheiros, cores, sons, gente, sorrisos que nos enchem, que nos fazem seguir o rumo...mesmo que não saibamos qual a meta.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 80.

Momento «Em nome de ti, ALA», dia 80:«O próprio do homem é viver livre numa prisão. Estamos sempre condicionados e até prisioneiros de nós próprios».