Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2013

E o país pula e [não] avança.

E quando o Chipre é atacado de morte no coração das liberdades que o sonho europeu criou, e quando em Portugal a pobreza e o desemprego estão no patamar que conhecemos, a imprensa do burgo não hesita em gastar papel com o «animal». E assim o país pula e [não] avança. Boa Quinta-Feira Santa.

O regresso de Sócrates e a «narrativa» sem chama. Valeu-me o Argo.

Ao contrário de um país inteiro, não vi a entrevista de José Sócrates, em directo. A essa hora, estava, calmamente a beber uma imperial e a jantar, preparando-me para entrar em modo «stop». Troquei o «regresso» e histeria em torno do ex-primeiro-ministro pelo Argo. E não foi propositado. Porque seria mais uma agarrada à televisão se assim estivesse em condições. Mas admito. Inconscientemente pensei algumas vezes: «o que terá dito o 'animal'». Pois cheguei a casa e vi a entrevista. E, desiludi-me. Esperava um outro Sócrates. Desviante da personagem que todos conhecemos. Mais astuto e com uma postura completamente diferente. Fez o óbvio. Atacou, legitimamente, Cavaco. Fez oposição. Está no direito de regressar como bem entender. Mas uma coisa é certa: Sócrates foi a cereja em cima de um bolo que retrata a crise política iminente que está prestes a estalar. Resta ao povo rezar. Rezar muito. Uma crise política em 2013 só apressará ainda mais o «afundanço» à americana. Ah, já agora…

Empresas nas «malhas» do «chico-espertismo» à tuga.

As novas regras do IVA vieram demonstrar, só no mês de Janeiro, o grande saque que milhares de empresas em Portugal fazem há décadas. Só naquele mês, a Autoridade Tributária e Aduaneira apanhou 30 mil empresas a fugir ao fisco: declararam menos IVA do que o que cobraram aos clientes.Cerca de 14 mil empresas passaram facturas, apesar de não terem iniciado actividade ou de estarem encerradas.Uma regra tão simples implementada em...2013. A lei não protege o consumidor, faz dele inspector das Finanças, bem sabemos, mas se eu pago o IVA em tudo, porque raio é que quem me presta um serviço fica com o imposto no bolso? Trata-se apenas de «apanhar» na malha quem foge. Em muitos outros casos, impregnados no «chico-espertismo à tuga» em vários sectores da sociedade portuguesa, é igual. É só um ponto [dos muitos] que contribuem para o estado a que chegamos. E o pior é que limpar a porcaria agora é mais doloroso. Mas nisto estou ao lado do Estado. Incondicionalmente.

António Borges. Defensor em causa própria.

É o grande consultor de Pedro Passos Coelho para as privatizações e afins. Defende a política em curso pela Troika com «unhas e dentes». Em compensação, conta o i, o Estado paga 25 mil euros por mês à empresa de António Borges, através de um contrato de prestação de serviços entre a sociedade por quotas detida por António Borges e Diogo Lucena com a Parpública, desde Fevereiro de 2012. Digamos que andamos todos a ver o país por um canudo enquanto outros têm um mar imenso de interesses à frente. Cambada.

Love is a temple [nas ruas do Jornalismo lisboeta].

Ruela acima, avenida abaixo. Entre a caneta numa mão e gravador na outra, chuvada hora sim, hora não, descansando nos braços de uma página em branco antes de ser conspurcada. [...] Love is a temple [...]*ac.U2@work*

O regresso de Sócrates [o último animal político].

A semana que passou colocou no mapa do país uma nuvem negra de instabilidade política perigosa, com o PS a encabeçar a liderança do caos democrático. Uma moção de censura encabeçada por António José Seguro, o regresso nada inocente de José Sócrates à vida pública nacional, o aparecimento de figuras como Jorge Coelho, Ferro Rodrigues ou Maria de Lurdes Rodrigues colocaram a febre da instabilidade no topo da actualidade nacional. Uma verdadeira mostra de como também os mass média alteraram por completo a importância do valor notícia. Tudo isto mergulha ainda mais sociedade portuguesa numa verdadeira ânsia em relação ao presente e ao futuro de curto prazo. O Governo falhou em toda a linha na última avaliação da Troika, como na semana passada aqui falei na Antena Livre. E isso custa caro, sobretudo aos nossos bolsos, demonstrando que, afinal, os sacrifícios não estão a valer a pena nem a limpar a podridão que outros fizeram. No ar surgem também notícias de que o Tribunal Constitucional irá chu…

Se dúvidas houvesse...

O Plano da Europa rumo à auto-destruição. Se dúvidas houvesse...

A falência do país.

«Chumbo do Tribunal Constitucional pode levar à falência do país». César das Neves, economista.

Portas refém do seu próprio silêncio.

O CDS reuniu-se ontem à noite no Caldas para dizer que é necessária uma remodelação no próprio Governo de que...faz parte. Do líder centrista, nem uma palavra. Longe vão os tempos em que os órgãos partidários se reuniam para decidir, para agir. Portas está refém, há muito tempo, do seu próprio silêncio. Quando o sonho da cadeira da diplomacia externa é mais importante, o eleitorado que se lixe.

O circo dos José(s) sem Seguro de vida.

António José Seguro, para além da fraqueza enquanto líder do PS, devia ter vergonha sempre que aparece a criticar, por tudo e nada, sem argumentos contrários, a política do regime. Se o quadro da maioria PSD-CDS é dramático e a receita da austeridade não funcionou, o sempre que o secretário-geral do PS abre a boca, aumenta o nível de disparate. Este sábado, no Porto, levantou parte do pano sobre a carta que recentemente enviou à Troika. Diz ele que garantiu à missão internacional que «o PS honrará os compromissos assumidos pelo Estado português» no Memorando. Resta saber se foi José Sócrates quem ditou e escreveu a missiva ou se o gozo com a cara dos portugueses é uma brincadeira pessoal. Este é o mesmo homem que está a preparar uma moção de censura ao Governo, o mesmo homem que critica a política em marcha mas não diz como fará diferente, o mesmo homem que, caso chegue ao poder [uma verdadeira loucura, se acontecer] irá levar-nos à parte do filme em que o coveiro despeja a terra em c…

Um encontro inédito.

É uma imagem inédita. O Papa Francisco chegou a Castel Gandolfo, nos arredores de Roma, para se encontrar com Ratzinger, um encontro inédito em 2000 anos de Cristianismo. Fica o registo.

Vamos apanhar o 'Comboio Nocturno para Lisboa'?

No livro era assim: «Numa manhã chuvosa, uma mulher prepara-se para saltar de uma ponte, em Berna. Raimund convence-a a não fazê-lo, e consegue, mas depois a mulher desaparece. Tudo o que sabe é que é portuguesa. De tarde, entra numa livraria e, por acaso, descobre um livro de um autor português, Amadeu de Prado, que foi médico, poeta e resistente durante o salazarismo.Raimund é, desde há muito tempo, professor de latim e grego, o que já o entusiasma tão pouco como o seu casamento, já em estado de desagregação. Aprende português e, uma noite, mete-se num comboio para Lisboa, uma cidade que irá ser o local de todas as revelações: dos mistérios da vida humana, da coragem, do amor e da morte. Um livro que apetece reler lentamente, mal se acaba de ler». Encontrar o sentido da vida e a identidade. Porque tal como na tela a Vida é feita de escolhas. Aí está, acabadinho de chegar: Comboio Nocturno para Lisboa. Quem não levantar o rabo do sofá para ir ao cinema não sabe o que perde. ;)

Moção de censura coloca José com SEGURO a prazo.

António José Seguro podia minimizar a sua desastrosa liderança, pelo menos capitalizando o «deixa-me estar mas é quietinho» até às eleições. Mas não, dá o derradeiro tiro no pé com a anunciada moção de censura do Governo de Pedro Passos Coelho. Com o regresso de José Sócrates à ribalta polícia [que ainda não se percebeu se foi concertado com a moção agora anunciada], José tem o seguro de vida a prazo. Se o Governo já demonstrou que falhou em toda a linha, o maior partido da oposição mostra ser mais irresponsável que um adolescente apaixonado. O País precisa respirar e não de ser empurrado mais para a cova. No meio disto tudo, o Tribunal Constitucional está prestes a pronunciar-se sobre o Orçamento e em Belém continua-se a fingir que a cadeira do palácio mexe. Quem já pouco mexe, somos nós, mexilhões de uma geração inteira, refém de políticos fracos e inconsequentes.

Sócrates: o regresso do «animal» para Relvas ver.

O regresso do «animal» não podia ser em maior passadeira vermelha: na estação pública com um programa semanal só para si. E ainda está prevista uma entrevista onde José Sócrates explicará os efeitos da sua governação. Uma «provocação» na estação pública ao regime vigente que tem em marcha um plano de privatização e despedimentos. Isto anda a aquecer, anda, anda. Entretanto, o povo, alvo desta cambada, lá vai aguentando, mal, muito mal, e sem saber muito bem até quando.

Uma geração infeliz.

A crise, as dificuldades dos portugueses e o desemprego. São temáticas que tenho abordado na Antena Livre semanalmente. E por mais que tente virar a agulhar, tristemente a realidade não me deixa. Na passada sexta-feira o ministro das Finanças anunciou os resultados do sétimo exame regular da Troika ao programa de ajustamento financeiro. Além do corte de 4 mil milhões de euros na despesa, esperávamos que os ventos começassem a soprar de forma diferente. Mas aconteceu o pior. Os números são claros. Em 2013 a recessão económica será de 2,3%. Em 2014 o desemprego atingirá a casa dos 19% e o défice, esse, andará na casa dos 5,5% este ano. E, pela primeira vez o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, respondeu, por duas vezes, com um “não sei” a perguntas dos jornalistas. Resposta incompreensível que remete para previsões económicas do Governo frequentemente erradas. Com o falhanço brutal da política económica em marcha e que é imposta por uma Troika que já admitiu que a austeridade não funcio…

A loucura europeia que acelera a missão suicida.

A ilusão de um Seguro que ninguém quer.

«Só o PS poderá liderar o caminho de mudança em Portugal». A frase é de António José Seguro, líder do PS. A isto só tenho uma coisa a dizer: muito mal está este País se depositar em Seguro os destinos da Nação. Seguro é um homem sério, já aqui o disse e escrevi várias vezes. Mas infelizmente falta-lhe tudo para ser o Primeiro-Ministro que precisamos, sobretudo nos tempos que vivemos. E não se trata apenas do carisma, da mão firme ou do líder aglutinador. Faltam-lhe ideias, faltam objectivos, faltam caminhos. É certo que herdou um partido dividido ideologicamente, um partido que José Sócrates moldou à sua imagem e semelhança, mas acima de tudo um partido que já deitou fora à muito o socialismo. Nem na «gaveta» já está para ser retirado. Junte-se-lhe a isso o facto de o PS ter assinado [como era natural de um partido de poder e «responsável», como eles próprios dizem] o tal Memorando que impõe regras para ter financiamento. Soluções? Poucas para não dizer nenhumas. Talvez a sociedade ci…

A bancarrota [anunciada].

Numa entrevista concedida ao Público este Domingo o economista Daniel Bessa defende um novo Governo que inclua a PS e diz aquilo que todos suspeitamos mas que, por via dos discursos formais e formalistas do actual Executivo, não é dito: «estamos todos a evitar anunciar a bancarrota». Cá está a verdade, nua e crua, dita sem hesitações.

A descida ao Inferno. Agora é oficial.

Rota Vicentina: Two Steps to Freedom.

Portugal é o melhor país do mundo. Para mim é. E as distinções que vamos recebendo lá de fora só corroboram o que penso. O vídeo promocional daRota Vicentina ganhou há poucos dias o prémio Golden City Gate, atribuído pela ITB Berlim, uma das maiores feiras de turismo do mundo. Eu conheço parte da Rota, já a tinha, em tempos sugerido, mas é impossível quem vê esta promoção não se render aos encantos que vão de Santiago do Cacém ao Cabo de São Vicente. É este hoje o destino do dia da Secção Platónica 'Portugal Por Inteiro'.

Portugal de luto na próxima década.

De Belém para Trás-os-Montes.

Depois de semanas e semanas em clausura, Cavaco sai finalmente da toca de Belém. O Presidente da República começa a partir desta sexta-feira um mini-roteiro por três concelhos de Trás-os-Montes. Torre de Moncorvo, Vila Flor e Carrazeda de Ansiães receberão Cavaco numa região de profunda crise económica, isolamento e desertificação. Às vezes faz bem sair da urbe para nos entranharmos no país real, nas profundezas da realidade difícil transmontana.

Da Argentina emanam génios. Que o Prenúncio acompanhe Francisco.

Os Católicos finalmente têm Papa. A Páscoa que venha. Que a histeria mediática termine e que Francisco - de Assis e Xavier - possam ajudar o líder da Igreja a mudar alguma coisa. Sou Católica, tenho Fé e Acredito. Mas, neste momento, só me apetece fugir às banalidades e dizer parvoíces: da Argentina emanam génios [ninguém em particular, claro....;)]. Que este tenha a capacidade de lavar a alma do sistema da Cúria.

Os grandes protegem os seus pares.

São sempre os grandes que importam porque a tal classe que suporta o Estado social através dos impostos, essa, bem, essa continua depauperada.

Que não saia um rato da montanha destes dias.